Os militantes do PSD vão votar para a liderança da Distrital em princípios de Dezembro
Os militantes do PSD vão votar para a liderança da Distrital em princípios de Dezembro
As eleições para a Comissão Política Distrital do Partido Social Democrata (PSD) estão marcadas para o dia 5 de Dezembro. O actual presidente, Álvaro Amaro, está ainda a reflectir sobre uma possível recandidatura, Fernando Andrade e Júlio Sarmento já disseram que não serão candidatos.

 

Álvaro Amaro diz que está ainda a ponderar se vai ou não voltar a candidatar-se à liderança distrital do PSD. A opinião de Fernando Andrade é que não o deve fazer. “Eu acho que era bom que não o fizesse”, disse o autarca de Aguiar da Beira, que concorreu contra Amaro no último acto eleitoral para a Comissão Política Distrital social-democrata.

Fernando Andrade já garantiu que, desta vez, não irá avançar com uma candidatura à Distrital laranja, não afastando, porém, a possibilidade de vir a integrar uma candidatura. “Nunca fui pessoa de virar a cara a nada. Se, de facto, me chamarem a intervir mais directamente, ponderarei essa situação e, na altura própria, darei uma resposta”, afirma.

As eleições para a Distrital laranja foram já marcadas para o próximo dia 5 de Dezembro. Chegou inicialmente a ser apontado o dia 27 de Novembro para a realização do acto eleitoral, mas a convocatória viria a ser assinada indicando a data do dia 5 do mês seguinte, tendo em conta a ausência, naquela altura, do presidente da Mesa da Assembleia Distrital do Partido, Júlio Sarmento. O autarca de Trancoso já garantiu, entretanto, que não será candidato a presidente da Comissão Política Distrital, podendo, no entanto, vir a integrar alguma lista.

 

Fernando Andrade apoiará candidato que “dê garantias de uma implantação cada vez maior do Partido”

Fernando Andrade espera que todo o processo para a eleição da nova liderança decorra da melhor maneira, defendendo que todos os militantes devem ter as mesmas condições. “Deve ser dado tempo a todos aqueles que se possam perfilar como candidatos o poderem fazer em condições de igualdade com quem tem, neste momento, a liderança da Distrital. Tem que se reconhecer que quem está no poder terá sempre mais vantagens em relação aos outros”, afirma. A igualdade de oportunidades é defendida no sentido de que “venha a ser eleito o melhor, ou os melhores elementos” para ficarem à frente da Distrital.

Sem indicar nomes, o autarca de Aguiar da Beira afirma que apoiará um candidato que “dê garantias de uma implantação cada vez maior do Partido no Distrito” e que “faça com que o PSD continue a ser o maior partido em termos autárquicos”. “Não tenho preferências. Eu espero que quem, de facto, desejar ser líder da Distrital apareça e eu apoiarei aquele que, em meu entendimento, for o melhor”, adianta.

 

Autárquicas: Comissão Política Distrital “terá responsabilidades” no caso da Guarda

Fazendo uma análise dos resultados do PSD nas Autárquicas de 11 de Outubro no Distrito, Fernando Andrade refere especialmente o caso da Guarda, não tendo dúvidas de que a “Comissão Política Distrital foi interventiva neste caso”, em que o candidato independente à Câmara, apoiado pelo PSD, sofreu uma forte derrota. “Se não escolheu, deu indicações de o candidato ser aquele. Nos restantes concelhos já não lhe atribuo essa responsabilidade, mas para a Câmara da Guarda terá algumas responsabilidades”, considera.

“As eleições autárquicas não se ganham em 15 dias, é num trabalho ao longo de quatro anos, e com certeza que esse trabalho é que não foi feito e deveria ter sido feito a tempo e horas, no sentido de poder chegar aos 15 dias de campanha eleitoral e poder ombrear com o adversário e podermos ganhar a Câmara da Guarda. Isso não foi feito. Não digo que a responsabilidade seja única e exclusivamente do presidente, mas da Distrital, da Concelhia da Guarda e de todos aqueles que intervieram no processo”, acrescenta Fernando Andrade.

Fonte. www.novaguarda.pt

publicado por damasceno às 13:14