Palácio Nacional da Ajuda

         Conta-se que certo dia o rei D. José querendo favorecer um seu compadre, modesto tanoeiro da praça alfacinha e sem fortuna, se aproximou dele e em segredo o convidou a fazer torneiras. O artífice terá ficado muito surpreendido com o convite, pois ninguém ao tempo fazia uso de tais peças, mas obedeceu e respeitou o convite que  seu real compadre lhe fizera. 

         Com centenas de torneiras feitas e em armazém, e sem que o rei voltasse a falar no assunto, aproveitou um encontro casual para perguntar a sua majestade se precisava de torneiras no palácio. O rei disse que não, mas que não se preocupasse porque a lei que ia obrigar todas as tabernas do reino a usar torneiras nas pipas e tonéis já estava pronta para sair. E assim um compadre e um afilhado passarem a fazer parte da alta burguesia....

        A tradição mantém-se, mas em vez de torneiras, agora até mete imóveis que fizeram parte do património nacional  como é o caso da cadeia ou convento de Brancanes, em Setúbal, que acaba de ser vendida pelo Estado a uma imobiliária onde António Lamego, um antigo sócio do actual ministro da Justiça, Alberto Costa, tem 99,2% do capital. Isto é que é ser socialista! Os amigos são para as ocasiões...

publicado por damasceno às 19:49