WoodportO investimento é superior ao inicialmente previsto

António José Baraças, o empresário pinhelense, que apostou em cativar novos empresários para Pinhel, revela datas e desvenda alguns dos novos projectos a curto prazo.

A empresa Woodport do Grupo Basmad – Sociedade de Gestão e Participações Sociais, S.A., já está a instalar as máquinas que hão-de ficar a funcionar nas antigas instalações da Rhode de Pinhel. Até o logótipo já se encontra gravado nas instalações! O novo pavilhão de 3.500 m2 está praticamente concluido e já iniciou um outro de 2 000 m2 e já há funcionários a serem preparados para as funções coordenadoras.
Prevê-se assim que Abril possa vir a ser o mês de inicio de laboração tal como estava estipulado, prevendo-se que os trabalhos de ampliação estejam concluídos na altura da abertura.
Em relação à área inicial, coberta há, um aumento de cerca de 70%, em fase de conclusão, pelo que os atraso, sem ser significativo, acabou por ser inevitável. Todavia isso vai permitir a admissão de mais pessoal do que se esperava.
Ao todo vão ficar adstritos à fábrica de manufactura de portas de madeira, sete pavilhões.

António Baraças, felicíssimo
“Tenho que dizer que vamos ainda fazer mais uns pavilhões, alargar mais o espaço porque quero já arranjar outra área para mais 40 ou 50 postos de trabalho” afirmou António Baraças, o empresário pinhelense, proprietário das instalações e que foi o dinamizador de todo o processo que levou a Woodport a optar por se instalar na cidade de Pinhel.
Quanto a haver mais empresários interessados e a já não haver áreas disponíveis: “Não, não confirmo isso, porque todas as pessoas que quiserem vir para Pinhel eu arranjo espaço, no máximo, em três meses. Dou condições a todas as fábricas que queiram vir para Pinhel pois sinto-me nessa obrigação e continuo a ser optimista e todas as pessoas que queiram vir para Pinhel  têm instalações, têm terreno, têm tudo disponível”.
Adiantou ainda que, “vai  haver o aumento de uma área de mais dez mil metros quadrados mas não queria acrescentar muito sobre isso. Mas em principio vai ser uma realidade. Neste momento já temos uns 10 ou 12 trabalhadores a formarem-se em Nelas e Carregal do Sal”.
Também no sitio da Pega, nas instalações da antiga Estação Fruteira de Pinhel, “em principio vai funcionar outra fábrica mas, neste momento não queria adiantar mais”, conclui António Baraças.
Fonte (P.F)

publicado por damasceno às 18:05