Vilar Formoso está intimamente ligada no seu desenvolvimento como núcleo urbano à Linha da Beira Alta, em torno da qual se fixaram quadros, trabalhadores, actividades comerciais e mercantis.
A sua estação ferroviária é um autêntico monumento à beleza da azulejaria portuguesa materializado nos painéis que a engalanam e enfeitam, numa representação artística da vida, monumentos e paisagens de Portugal.
Esta estação ferroviária desempenhou um papel crucial em 1940 quando por ela entraram milhares de fugidos das garras do III Reich e de Hitler, em plena II Guerra Mundial. Eram Judeus mas também gente de outras raças e credos que mercê dos vistos emitidos pelo Cônsul de Portugal, Aristides Sousa Mendes, conseguiram encaminhar-se através da “ estrada” por ele aberta para Liberdade.
O diplomata, que salvou acima de 30 mil almas do sofrimento da perseguição, tortura e morte, acabou por pagar caro a ousadia de desafiar as ordens de Salazar, morrendo pobre mas de consciência leve “ de bem com Deus”.
Aristides Sousa Mendes vai ter nesta estação uma lápida evocativa do feito hoje reconhecido pelo mundo mas que lhe valeu então privações, pobreza, perda de património, restando a consciência de diplomata impoluto e humano.
Vilar Formoso guarda em si um dos exemplares das locomotivas que transportaram esses fugidos mas também emigrantes e gente anónima: a BA 101, melhor, Beira Alta 101, actualmente resguardada num “palco” junto à froneira,a terrestre e ferroviária.
A BA 101 é uma locomotiva a vapor “Twelve  Wheelel” de quatro cilindros. Segundo reza a legenda é o “último exemplar de uma série de três máquinas, foi adquirida nova com outras duas idênticas, em 1932 pela então Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses da Beira Alta, à casa Henschel, de Cassel (Alemanha), sendo um dos últimos desenhos de autoria do engenheiro Georg Heise.  Prestou  diversos serviços rápidos, com destaque para o “Sudexpress” (Lisboa-Hendaye) até a tracção Diesel substituir a partir de 1963 definitivamente o vapor no troço “Guarda-Vilar Formoso”, da Linha da Beira Alta. Renumerada a partir de 1947, como as restantes, na série 801-803 da CP, prestaria ainda serviços  de passageiros e de mercadorias entre o Entroncamento e Gaia (antes da electrificação) e nas linhas do Minho e Douro designadamente Porto/Barca d’Alva (fronteira).

publicado por damasceno às 14:31