Por causa da maldita feijoada!!!!

29.07.08

O Zé adorava feijoada. Porém, sempre que comia, o feijão causava-lhe uma reacção fortemente embaraçosa. Algo muito forte.

Quando chegou a altura de pedir a mulher em casamento, pensou:
- Ela é de boas famílias, cheia de etiqueta, não vai aguentar estar casada comigo se eu continuar a comer feijão. Decidiu fazer um sacrifício supremo e deixou-se de feijoadas.
Pouco depois estavam casados. Passados alguns meses, ao voltar do trabalho o carro avariou. Como estava longe, ligou para a mulher e avisou que ia chegar tarde pois tinha que regressar a pé. No caminho, passou por um pequeno restaurante e foi atingido pelo irresistível aroma de feijoada acabadinha de fazer. Como faltavam vários quilómetros para chegar, achou que a caminhada o iria livrar dos efeitos nefastos do feijão.
Então entrou, pediu, e ao sair tinha três doses de feijoada no estômago.
O feijão fermentou e durante todo o caminho, foi-se peidando sem parar.
Foi para casa a jacto. Peidava-se tanto que tinha que travar nas descidas e nas subidas quase não fazia esforço para andar. Quando se cruzava com pessoas continha-se ou aproveitava a oportuna passagem dum ruidoso  camião para soltar gás. Quando chegou a casa, já se sentia mais seguro.
A mulher parecia contente quando lhe abriu a porta e exclamou:
'Querido, tenho uma surpresa para o jantar!'. Tirou-lhe o casaco,pôs-lhe uma venda nos olhos, levou-o até à cadeira na cabeceira da mesa, sentou-o e pediu-lhe que não espreitasse.
Nesse momento, já sentia mais uma ventosidade anal à porta! No momento em que a mulher ia retirar a venda, o telefone tocou. Ela obrigou-o a prometer que não espreitava e foi atender o telefone. Enquanto ela estava longe, ele aproveitou e levantou uma perna e -ppuueett - soltou um! Era um peido comum. Para além de sonoro, também fedeu como um ovo podre! Aliviado, inspirou profundamente, parou um pouco, sentiu o fedor através da venda, e, a plenos pulmões, soprou várias vezes a toda a volta para dispersar o gás.
Quando começou a sentir-se melhor, começou outro a fermentar! Este parecia potente.
Levantou a perna, tentou em vão sincronizar uma sonora tossidela para encobrir, e pprrraaaaaaaa! Sai um rasgador tossido. Parecia a ignição de um motor de camião e com um cheiro mil vezes pior que o anterior!
Para não sufocar com o cheiro a enxofre, abanou o ar sacudindo os braços e soprando em volta ao mesmo tempo, esperando que o cheiro se dissipasse.
Quando a atmosfera estava a voltar ao normal, eis que vem lá outro.
Levantou a outra perna e deixou sair o torpedo! Este foi o campeão: as janelas tremeram, os pratos saltaram na mesa, a cadeira saltou e num minuto as flores da sala estavam todas murchas.
Quase lhe saltavam os sapatos dos pés.

Enquanto ouvia a conversa da mulher ao telefone no corredor, sempre fiel à sua promessa de não espreitar, continuou assim por mais uns minutos, a peidar-se e a tossir, levantando ora uma perna ora a outra, a soprar à volta, a sacudir as mãos e a abanar o guardanapo. Uma sequência interminável de bufas, torpedos, rasgadores e peidos comuns, nas versões secas e com molho. De onde a onde acendia o isqueiro e desenhava com a chama círculos no ar para tentar incinerar o nefasto metano que teimava em acumular-se na atmosfera. Ouviu a mulher a despedir-se e sempre com a venda posta, levantou-se apressadamente, e com uma mão deu umas palmadas na almofada da cadeira para soltar o gás acumulado, enquanto abanava a outra mão para espalhar. Quando sacudia e batia palmadinhas nas calcas largas para se libertar dos últimos resíduos, ouviu o plim do telefone a desligar, indicando o fim da solidão e liberdade de expressão. Alarmado, sentou-se rapidamente, e num frenesim abanou apressadamente mais algumas vezes o guardanapo, dobrou-o, pousou-o na mesa, compôs-se, alinhou o cabelo, respirou profundamente, pousou as mãos ao lado do prato e assumiu um ar sorridente. Era a imagem da inocência quando a mulher entrou na sala.
Desculpando-se pela demora, ela perguntou- lhe se tinha olhado para a mesa. Depois de ele jurar que não, ela retira-lhe a venda, e,
Surpresaaaa!

Estavam 12 pessoas perplexas e lívidas sentadas à mesa:

Os pais, os sogros, o patrão e os colegas de tantos anos de trabalho.

Era a 'festa surpresa de aniversário do Zé!'

publicado por damasceno às 23:33

Plásticas

29.07.08

 

A Lili Caneças vai ao médico para fazer um tratamento revolucionário anti-rugas: - A sra. só terá de colocar um parafuso no topo da cabeça escondido no couro cabeludo. Sempre que aparecerem rugas basta girar o parafuso que a sua pele é puxada para cima e as rugas desaparecem. Quer experimentar? - Claro, Dr.! Isso é o máximo! 6 meses depois volta para uma consulta: - Dr. essa técnica do parafuso é óptima, mas apareceram-me estes papos por baixo dos olhos! - Minha Sra. esses papos são os seus seios. E se não deixar esse parafuso quieto daqui a 15 dias vai ter barba !!!!!!!

publicado por damasceno às 20:00

mais sobre mim

pesquisar

 

Julho 2008

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
22
25
26
27
28
31

links

subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro

tags

todas as tags

comentários recentes

  • Que negócio da china!
  • Gostei do blog,Sara
  • Grande banda...
  • esta feira e que vai ser lool:)~»3
  • “Natal... tempo de paz, de celebração, de esperanç...
  • Os Baile a Baile de Palmela 5 musicos com uma cant...
  • Os Baile a Baile de Palmela 5 musicos com uma cant...
  • Já mudámos!… Se por um lado nos continuamos a cham...
  • Banda "NPJ" Já com um cantinho na InternetFoi no p...
  • http://acdestreladealmeida.blogspot.com/

mais comentados